Bartwist

“Portugal já é rotulado como excelente na indústria das bebidas” – João Pessoa

Brand Ambassador Licor Beirão 13 Maio 2019

João Pessoa é o brand ambassador do Licor Beirão e uma presença assídua no Lisbon Bar Show. Falámos com ele sobre a edição deste ano do certame da capital e sobre outros temas relacionados com a atividade de bartender.

O que espera do Lisbon Bar Show 2019?
As expetativas para este ano estão muito altas. O Lisbon Bar Show apostou como nunca em oradores internacionais de topo. O evento nunca apresentou um cartaz tão bom como este, tanto ao nível de convidados nacionais como internacionais. Por outro lado, acho que é relevante apostar no melhor que se faz em Portugal, temos que saber dar valor ao que se faz no nosso país e este Lisbon Bar Show vai superar todos os outros.

Como descreve o espaço do Licor Beirão e da Companhia Espirituosa e como avalia a concorrência?
Vamos apostar muito em dois espaços distintos. Um cantinho português, com bebidas portuguesas, com produtores, ginja, Gold Grail, Foxtale e Licor Beirão. Vamos ter vários convidados, bartenders de topo a nível nacional, replicar várias tentações, como o café com Beirão, e brindes. No outro espaço, expomos bebidas internacionais premium e vamos ter os brand ambassadors dessas marcas. Também está a haver uma grande aposta da parte de outras marcas internacionais. O Lisbon Bar Show já é um dos maiores eventos do mundo, está entre os cinco maiores. Aqui conseguimos reunir todos os profissionais e conhecer produtos novos.

João Pessoa – Brand Ambassador do Licor Beirão

Sendo um especialista em Licor Beirão, uma bebida alcoólica, qual a sua opinião sobre a moda dos mocktails?
Não trabalho com mocktails mas, pelo que vejo, é uma grande tendência, que tem vindo a crescer. As pessoas estão cada vez mais exigentes e há nisto uma nova alternativa, cada vez mais em voga. Inclusive, relacionada com a segurança rodoviária. Os mocktails acabam por ser uma grande atracção e há cada vez mais marcas a aparecerem.

A atividade de bartender em Portugal já está ao mais alto nível do que se faz pelo mundo?
As maiores dificuldades ainda passam pela falta de conhecimento do cliente português. Acabo por estudar a comunidade local no estrangeiro e o cliente da Europa Central é muito mais informado acerca do mundo das bebidas. Não bebe só porque sim. O cliente nacional ainda não está muito informado, mas isso está a mudar. O boom do gin está a ajudar bastante, as pessoas estão mais interessadas. Mas, por outro lado, ainda há falta de formação – abrem casas sem a mínima formação de hotelaria, que não sabem prestar um bom serviço ao cliente. Já há material para trabalharmos como deve ser, mas a falta de formação e conhecimento ainda é um grande problema.

Mas reconhece que tem havido evolução no setor?
Nos últimos anos, Portugal melhorou bastante. Ainda não é suficiente, mas estamos a melhorar a olhos vistos. O boom do gin veio, como disse, ajudar. Agora os clientes já pensam que estão a pagar a qualidade, ingredientes, formação e qualidade de serviço. Estamos no bom caminho. Já somos vistos com bons olhos lá fora. Viajo bastante e ouço a dizer lá fora: “Quero conhecer Portugal.” Já temos bartenders de renome, que vão a concursos internacionais, vamos crescer ainda mais e estamos no bom caminho. Portugal já é rotulado como excelente na indústria das bebidas.

É preciso mais formação?
O bartending está na moda, as escolas têm feito um excelente trabalho, têm-se atualizado. As pessoas têm procurado formação em todo o lado e a formação nunca teve tantos alunos como agora. Claro que ainda há pessoas sem formação, mas, mesmo como autodidatas, têm procurado formação. Temos formação a nível 5 e universitário (gestão hoteleira). Hoje, quem vai para esta área é quem quer mesmo trabalhar nela, ao passo que antes, era quem mais necessitava.

João Pessoa – Brand Ambassador do Licor Beirão

Os nossos produtos conseguem afirmar-se no estrangeiro?
Nós em Portugal somos muito de boca doce – moscatel, aguardente, licores, vinho do Porto, Madeira, produtos mais doces. A filosofia do resto da Europa não é bem assim, preferem produtos mais frios e amargos. Mas os produtos portugueses têm crescido e os bartenders cada vez mais procuram o que é português. Quando um bartender conhece os nossos produtos fica maravilhado e quer conhecer mais. Mas faltam pessoas a trabalhar os produtos lá fora. Olhando para o exemplo do Licor Beirão e Beirão d’Honra, o feedback é sempre bastante positivo, mas a distribuição ainda não é a melhor.

Que tipo de informação é que procura em meios de comunicação dedicados à sua área? Quando procuro informação, tento ir a sites internacionais. Em Portugal não temos. Não sei se é por falta de dinheiro ou tempo. Procuro tendências, novas técnicas de elaboração de cocktails. O que procuramos nesta indústria é a novidade, o cliente procura uma nova experiência e temos que estar sempre a par das novas tendências. Procuro ainda alguma informação sobre bebidas espirituosas, métodos de destilação, produção, categorias, marcas, além de temas como novos bartenders, bartenders famosos, o seu trabalho e percurso.

O que lhe interessa descobrir em relação a um bartender?
Saber o percurso. O “conta-me como começaste nesta indústria e porquê”. Quais é que foram as maiores dificuldades, qual o momento mais alto ou se espera que ainda vá acontecer, a idade, localidade, produtos preferidos, técnicas de bar preferidas, opinião sobre a indústria portuguesa (marcas, cocktails, formação), o que gosta mais ou menos. A opinião sobre o que está a acontecer neste momento e sobre os eventos do bar em que trabalha.

João Pessoa – Brand Ambassador do Licor Beirão

O que é que o João Pessoa e a sua marca já estão a fazer ao nível da sustentabilidade?
Já não utilizamos o copo descartável, mas sim o reutilizável, sendo que sai mais caro o de plástico do que o de vidro. Esse tema está muito em voga. Por exemplo, já há palhinhas de massa, biodegradáveis ou de papel. E, apesar de a lei só chegar em 2020, nós já abolimos o plástico descartável nos nossos bares. Tentamos também aproveitar tudo. Aproveitar a casca e o limão, fazer pó de limão e de lima, a casca do ananás, aproveitando tudo no bar e evitando fazer lixo. No fundo, aproveitar tudo o que conseguimos. É um tema a que estamos atentos, os consumidores também valorizam e nós queremos passar essa ideia. O Lisbon Bar Show e o Algarve Trade Experience, por exemplo, adotaram logo esta ideia, mas claro que há sempre mais coisas a fazer.