Bartwist

“Não deixes que ninguém te diga como deves beber o teu whiskey” – Chris Hayes

Brand Ambassador Teeling Whiskey 25 Novembro 2019

Foi no Bar Convent Berlin 2019 (leia a nossa reportagem) que conhecemos o Teeling Whiskey e nos deparámos com uma autêntica febre ao “ouro” do whiskey irlandês. Falámos com o brand ambassador Chris Hayes, que nos contagiou com o seu entusiasmo.

Esta é uma marca muito nova?
Absolutamente. Esta marca começou como marca em 2012, a nossa destilaria em Dublin ficou terminada em 2015. E é uma incrível marca nova de Irish whiskey

É difícil conquistar um lugar no mercado?
Eu acho que a forma como o Irish whiskey está neste momento é uma altura excitante, mas não é de todo fácil começar e estabelecermo-nos em Dublin. A Teeling é a primeira destilaria a abrir em Dublin, em 125 anos. Quando nós começámos, em Dublin não existem quintas e comprar toda a matéria-prima necessária para produzir whiskey é um desafio. Não obstante, todas as licenças de planeamento e construção para criar uma destilaria em Dublin torna-se muito desgastante, há muita pressão. Abrimos há quatro anos, e este ano ganhámos o melhor single malt do mundo. A marca está a ir bem.

Falámos com Chris Hayes no Bar Convent Berlin 2019. Foto: Bartwist.

O que distingue o Teeling de outro whiskey irlandês?
É uma questão muito frequente. Primeiro, é destilado com objetivo no sabor. Nós estamos focados no sabor do whiskey. O nosso whiskey é engarrafado com 46% de álcool, enquanto que outros o são com 40% ou 41%… 46% álcool por volume demonstra mais caráter, sabor, concentração dos pequenos pormenores. Teeling Whiskey é inovação. Enquanto a maior parte dos whiskey irlandeses são produzidos em barris que já foram usados na produção de xerez e de bourbon, Teeling tenta ultrapassar os limites em termos de como o cliente perceciona o Irish whiskey. O nosso topo de gama é produzido em pequenos lotes, o final do estágio (que dura 6 a 9 meses) é feito em barris de rum da América Central. É uma diferença incrível para qualquer outro whiskey irlandês. Isto é apenas um dos exemplos das nossas maravilhas. Da mesma forma que o whiskey é triplamente destilado – tradicional com todos os whiskey irlandeses -, o nosso também é. Mas, em termos dos ingredientes que usamos, a nossa mash bill [conjunto de cereais] é experimental; por exemplo, temos um whiskey feito à base de milho, que não é típico na Irlanda. Estamos a tentar trazer algumas das receitas mais tradicionais e antigas, como pot-still whiskey [whiskey de alambique], o que significa malted barley e unmalted barley [cevada fermentada e cevada não fermentada], e estamos a experimentar com novas mash bills, particularmente com centeio.

Pode falar-nos mais sobre os quatro tipos de whiskey irlandeses?
Temos o blended whiskey, que é feito usualmente com milho e cevada, single malte que é mais associado a whisky escocês – mas também com Irish whiskey, que é 100% cevada fermentada -, grain whiskey que na Irlanda consiste no uso de milho, mas pode usar outros ingredientes, por norma as destilarias irlandesas usam predominantemente milho. 

Receitas…
Não há muitos cocktails porque o nosso whiskey tem 46%, e num cocktail assumiria demasiado protagonismo.

Preço para o consumidor?
Estamos nos 35/40€; em termos de qualidade não conseguimos competir com preço. Mas onde conseguimos competir é em termos de sabor.

Foto: Bartwist.

Já estão a vender em Portugal?
Estamos, sim. O nosso mercado são os Estados Unidos, e depois temos alguns países europeus como França, Alemanha… E agora o Irish whiskey está a crescer também em Portugal. As pessoas estão a começar a entrar no consumo de bebidas como o rum, e noutras que não provariam há 10 anos. O Irish whiskey é a bebida espirituosa com maior crescimento no mundo: neste momento, o crescimento está a duplicar todos os anos. São tempos entusiasmantes. Na Irlanda, neste momento, há 25 destilarias em funcionamento, em 10/15 anos estamos a prever 45 destilarias. 

Está envolvido na criação da marca e o que pode falar sobre ela?
Apesar de sermos uma marca nova, muito do nosso branding apela ao tradicional. Por exemplo, na garrafa aparece Teeling, que é um nome da família, tal como muitos dos outros whiskeys irlandeses – os nomes são baseados nos nomes das famílias, como é tradição. Assim como a forma da garrafa, que tem um formato high shoulder de cor verde escura. É muito típico no whiskey irlandês do séculos XVIII. Se olhares para o fundo do logótipo, a fénix é o símbolo de renascimento e nos pés tem um alambique – que é o método tradicional de produção de Irish whiskey. Tentamos criar algo diferente e único mantendo a tradição, até porque somos uma marca independente e temos mais espaço para inovar. É o gestor quem decide, mas uma grande parte do nosso branding é Dublin. 

Qual o perfect serve?
Isso é uma ótima questão. É um lugar-comum, mas a forma como tu gostas de apreciar o whiskey é a forma certa. Promovemos tudo, desde o whiskey e mixers, como whiskey-cola, whiskey ginger beer, cocktails, com bocadinho de água, com gelo… Dentro de um copo de whiskey tens três mil componentes de sabor, portanto é imensamente subjetivo. A tua experiência, o que saboreias, o que consomes, se estás em casa ou num bar… não deixes que ninguém te diga como deves beber o teu whiskey, bebe como tu quiseres.

Foto: Bartwist.

Quais as tasting notes do Teeling Small Batch?
É finalizado em barris de rum da América Central. Ainda mantém as características de um whiskey irlandês, é frutado, na boca é aveludado e suave, o fim tem um bocado de picante. Mas se o deixares estar um minuto ou mais, apanhas muito mais das notas mais suaves. 

É um mercado muito competitivo, o que é bom para o consumidor…
Sim, absolutamente. Há tanta coisa a acontecer. Como disse, há 25 destilarias, vai haver novos whiskeys no mercado, e isso é uma coisa boa para o consumidor. Vais começar a olhar marcas que talvez nunca tenhas visto. 

É como acontece com cerveja artesanal, certo?
Sim. Um bom exemplo é o primeiro lançamento da nossa destilaria, o nosso single pot-still whiskey. Muitas são as vezes em que ouves consumidores a compararem com um whiskey irlandês que já está no mercado. Não tentamos ser como as outras marcas, procuramos ter a nossa própria identidade, e não nos esquecemos das nossas raízes, o que eu acho importante.


Gostou da entrevista? Leia mais entrevistas do Bartwist aqui.