Bartwist

“A Borco é uma empresa familiar, e isso torna-nos especiais” – Mario Kappes

Global Brand Ambassador Borco 29 Novembro 2019

No mercado há 70 anos, a alemã Borco é uma grande distribuidora de vinhos, licores, bebidas espirituosas e bebidas não alcoólicas. Com sede em Hamburgo e instalações em Viena, a Borco destaca que, nas marcas que detém, mantém sempre o local de produção de origem. É o caso da tequila Sierra, bem conhecida em Portugal e que continua a ser produzida no México. Visitámos o espaço da Borco no Bar Convent Berlin 2019 e conversámos com o Global Advocacy & Education Manager da empresa, Mario Kappes

O que há de novo neste espaço da Borco? 
Temos aqui um Doppel Wacholder, que significa duplo zimbro, de edição limitada da qual produzimos apenas 10.000 garrafas. Depois de avaliarmos o seu sucesso é que poderemos voltar a produzi-lo, tendo em conta que temos a receita. Nesta altura, na Alemanha, discutimos sobre o crescimento do gin e sobre os milhões de sabores e botânicos que podemos usar e acabamos com gins que sabem a laranja, gins com sabores mediterrânicos, gins de todos os sabores. O que nós decidimos com este Doppel Wacholder é trazer para o mercado uma bebida espirituosa que apenas tenha um sabor a zimbro. Uma bebida neutra, combinada com bagas de zimbro que, como sabem, não são muito intensas em açúcar, por isso não as podemos usar para destilar, pelo que as temos de macerar. O processo de maturação demora seis meses em barris de madeira de zimbro, que reúne todos os sabores e faz sobressair o sabor a zimbro de maneira perfeita.

Esta bebida será vendida em Portugal?
Estamos a testá-la no mercado alemão e veremos se é bem recebida. Se observarmos que existe procura, então temos a liberdade para a lançar noutros mercados. A “mãe” desta bebida é o Kümmel, da Helbing, que é um licor de ervas, doce e com 35% de teor alcoólico. Estamos a exportar muito para a Indonésia e é algo que pode muito bem funcionar em Portugal. 

Actualmente, na Alemanha, estamos a assistir à tendência de se beberem bebidas com baixo teor alcoólico. Outra coisa que funciona muito bem em Portugal é a tequila Sierra. Esta é uma marca própria de tequila e que tem três gamas diferentes: a gama normal, tequila Sierra; a gama feita 100% de agave, Antiguo; e a gama alta Sierra Milenario, que é feita de 100% agave, tem maior teor alcoólico e muito bons sabores. 

Pode contar-nos mais sobre a marca Borco?
A Borco é uma empresa familiar. É gerida pelo seu dono que ainda se envolve em praticamente tudo o que fazemos. Desde a produção, marketing e Recursos Humanos… em tudo! E isso é o que faz de nós uma empresa especial. Porque estamos próximos. Não estamos preocupados, como uma empresa grande, em que tens de questionar França, ou onde quer que seja a sede, se podemos avançar ou não. Sobes um andar e perguntas à administração se podes fazer e faz-se. 

A Margarete’s é um dos nomes que escolhemos para o nosso Doppel Wacholder pois é uma das senhoras que geriu o negócio de Kümmel durante muitos anos, após o seu marido falecer. E isto não era assim tão comum no século XIX, ter uma mulher a gerir um negócio. Isto é a Borco. Temos 200 colaboradores. Eu viajo um bocadinho por toda a Europa e pelo mundo. Tento ajudar os nossos distribuidores com todo o storytelling e com todos os aspectos possíveis.

A Borco está no Bar Convent Berlin desde a sua génese, há 11 anos. Esta é a primeira feira em que temos um stand grande, no centro da feira. Uma vez que é no nosso país, devemos ajudar toda a gente. Somos distribuidores e marca, por isso tudo o que vêem aqui é nosso. 

O que diria a alguém para não beber algo e optar por uma marca sua?
Depende dos teus gostos. Eu trabalhei 25 anos como bartender. Eu sei o que é que significa ser um bom anfitrião – e ser um bom anfitrião significa ouvir as pessoas. Não lhes contes uma história. Ouve as pessoas e as suas necessidades. 

Porque, se começarem a falar contigo sobre marcas ou cocktails e perceberes que esta pode ser a sua primeira experiência em bebidas com alto teor alcoólico, então determinada escolha pode ser demasiado. Logo, tenho de falar contigo e perceber as tuas necessidades e gostos. Se gostares de algo fresco ou tiveres outra preferência, então consigo construir um perfil. E quando tens um perfil podemos começar a trabalhar o teu palato e pensar em diversas coisas que te posso servir. Por isso depende do teu palato e das diferentes situações em que te encontras.

Qual é o seu cocktail favorito?
Tenho diferentes situações em que consumo bebidas alcoólicas. Se for a um bar, gosto de quase todos os clássicos. Gosto de beber o Manhattan, mas de tempos a tempos bebo whisky ou um bom cocktail de Martini. Mas sobretudo as bebidas “standard”, porque é com estas que eu consigo avaliar a qualidade do bartender. Não podes oferecer um twist de um clássico se não entenderes o clássico. Por isso, antes de pedir um twist, eu peço um clássico. Se esse for bem feito, então eu pergunto-me qual o próximo passo. 


Gostou desta entrevista? Leia mais entrevistas Bartwist aqui.