Bartwist

Nelson Matos, uma estrela entre os barmen portugueses

05 Junho 2019 Redação

Aos 35 anos de idade, Nelson Matos é um nome de topo entre os bartenders portugueses. Só no recente Lisbon Bar Show de maio último, arrecadou três prémios: Melhor Barman, Melhor Cocktail – o “Evolve” – e Melhor Bar de Hotel – o Gusto do Hotel Conrad Algarve. “Sinto muita alegria em ver o reconhecimento do meu trabalho através destes prémios, mas eles significam também um acréscimo de responsabilidade”, afirmou ao Bartwist.

O sucesso deste algarvio tem antecedentes, como é o facto de o Gusto receber o prémio para Melhor Bar de Hotel do Lisbon Bar Show há três anos consecutivos. No plano pessoal, Nelson Matos foi eleito o melhor bartender do país, há cerca de um ano, na final da World Class Iberia 2018 e, em outubro último, representou Portugal na final do World Class Competition, em Berlim.

Imagem: Direitos Reservados

Um acumular de sucessos que o tornaram mais requisitado e, desde o dia 1 de abril, já não está à frente do Gusto. Este natural de Albufeira deixou por enquanto o Algarve, percorreu quase um país inteiro, e atualmente podemos encontrá-lo no Royal Cocktail Club do Porto. “Um bar que tem um potencial internacional enorme e caraterísticas para integrar a lista dos melhores do mundo”, defende.

A carreira deste bartender iniciou-se em 2001 e, desde então, tem trabalhado a maior parte do tempo em bares de hotéis. A escolaridade até ao ensino secundário é na área científica, tirou uma formação de Bartending Project e tem um certificado da Universidade de Lausanne ao nível da formação de bar. Notas curriculares que escondem “muito estudo, muito tempo dedicado a desenvolver novas técnicas, a aprender com o que fizeram no passado, muito tempo dedicado à profissão, muita paixão”, como salienta.

Neste percurso profissional avultam três anos em Londres, que incluíram uma passagem pelo Hotel Savoy, quase 10 anos no Hotel Grand Real de Santa Eulália, em Albufeira, e quatro anos no premiado Gusto. Ser reconhecido como melhor barman é para Nelson Matos o “culminar de vários anos de dedicação, paixão, humildade e muito trabalho”.

O Evolve é um cocktail que rasga as técnicas que existem e é o culminar de toda a aprendizagem

– Nelson Matos

O nosso protagonista levou o seu cocktail Evolve à final da World Class Competition, no ano passado. “A nível de execução e de preparados foi o mais difícil que já fiz na vida; é um cocktail que rasga as técnicas que existem e é o culminar de toda a aprendizagem”, descreve. No Evolve é utilizada uma água que sabe a pipocas acabadas de fazer. Leva uísque Cardhu Gold Reserve, vinho do Porto Croft Pink, Amarguinha, sumo de limão, goma de milho, tintura de flor de hibiscos e soda de pipocas e manteiga de coco.

Quando lhe perguntamos qual o utensílio preferido no bar, Nelson Matos responde “shaker” de imediato e a sua técnica preferida é o stir. Já as suas referências são Jerry Thomas e Harry Craddock, famosos representantes das escolas norte-americana e britânica, que desenvolveram a sua atividade no século XIX e início do XX, e que Nelson Matos gosta de estudar.

Nelson Matos no Lisbon Bar Show. Imagem: Carlos Rodrigues.

O conceituado barman não escolhe nenhum cocktail predileto para preparar. “Gosto de fazer todos, não tenho um preferido.” Já para beber, a sua preferência recai no clássico e mundialmente famoso Daiquiri.

Quanto a escolhas musicais, Nelson Matos ouve um pouco de tudo, embora prefira rock e, dentro deste universo, os Foo Fighters. O bartender revelou-nos que se inspira na música para o seu trabalho, nomeadamente nas letras dos fados de Amália Rodrigues para criar cocktails e preparar eventos.

Por último, desafiamo-lo a falar sobre projetos futuros. Nelson Matos responde que o seu foco atual e total é no Royal Cocktail Club do Porto, mas nunca escondeu a ninguém que gostaria de ter o seu próprio bar…